"Clássicos da Minha Alma" - VALDEMAR BASTOS



“Como sabem, Angola é um país que deu, através da sua história musical, muita música a todo o continente americano, às Antilhas e ao mundo em geral...".



O músico e compositor Waldemar Bastos garantiu ao  jornal da Platina que já tem concluído o seu novo trabalho discográfico. O álbum, denominado “Clássicos da Minha Alma”, é composto por clássicos da música angolana cuja execução conta com a participação de vários instrumentistas internacionais e da Orquestra Sinfónica de Londres.
O cantor refere que tinha intenção de oferecer a obra ao público angolano no dia de Natal, mas devido à intensidade dos trabalhos e outros factores, o novo CD sairá apenas em Janeiro.
"Estamos numa fase de grande tensão em que está toda a gente preocupada com outras situações. Aproxima-se a quadra festiva e há um corre-corre em tudo. Nesta fase não foi possível desalfandegar o produto, por isso decidi transferir o lançamento para Janeiro. Assim o disco sairá tranquilamente. Devo dizer que será um momento histórico para a música angolana".

O disco, que inicialmente será lançado em território nacional para depois ser apresentado ao público doutras regiões do mundo, reúne 13 faixas musicais. Inclui conhecidos temas do grupo Ngola Ritmos e alguns folclores nacionais, entre outros. A obra conta igualmente com as participações do maestro produtor, pianista e arranjador japonês Darek Nakamoto, do guitarrista americano Michel Long e de músicos latinoamericanos.

A preparação do disco durou cerca de 5 anos e foi executada entre as cidades de Los Angeles (Estados Unidos da América) e Londres (Inglaterra). Para esta primeira fase foram produzidas quatro mil cópias que serão levadas em diferentes bancas, com maior destaque para as do país.Para Waldemar Bastos, os clássicos incluídos neste CD visam enaltecer a história da música angolana, os angolanos e colocar Angola no contexto das nações. No seu entender, trata-se de um disco de dimensão mundial. “Como sabem, Angola é um país que deu, através da sua história musical, muita música a todo o continente americano, às Antilhas e ao mundo em geral. Sendo um artista sénior, estou a fazer chegar Angola lá onde ela merece. Sinto-me bem ao produzir tão grande obra, agradecendo a Deus acima de tudo, por todas as coisas. Também sinto um grande carinho do povo a reconhecer o meu trabalho. Por isso, acho que a minha obrigação é dar o melhor de mim e sinto-me bem”. Questionado quanto as vantagens tidas no relacionamento com inúmeros maestros de diferentes países, Waldemar Bastos referiu que trabalhar e trocar impressões com essas entidades enriquece ainda mais o seu universo artístico, o que para si marca uma longa e árdua caminhada rumo ao reconhecimento internacional.

“As pessoas que me vêm a caminhar agradecem-me. Já há um reconhecimento muito grande do meu trabalho a nível internacional. Ainda há bem pouco tempo constei das mil músicas que se devem ouvir antes de morrer do grande escritor Tom Mon, onde estão incluídas figuras como Jean Sebastian Bar, Mouser de La Partok, entre outros.E como disse anteriormente, trabalhar com estas pessoas que têm hoje um grande valor na música mundial, só me dá maior abertura. Para mim é muito gratificante”.
Tido como um dos grandes ícones da música angolana de todos os tempos, Waldemar Bastos nasceu em Mbanza Congo, província do Zaire. É filho de pais enfermeiros, tendo começado a tocar e a cantar desde muito pequeno. A sua última aparição pública aconteceu dia 10 de Novembro último, no Cine Tropical, onde abrilhantou a gala de entrega dos galardões do Prémio Nacional de Cultura e Artes.

É autor de seis álbuns, nomeadamente “Estamos Juntos” (lançado com a chancela da EMI Records Lda.em 1983), “Angola Minha Namorada” (EMI Portugal, 1989), “Pitanga Madura” (EMI Portugal, 1992) Pretaluz” (Luaka Bop, 1997), “Renascence” (World Connection, 2004) e “Love Is Blindness” (2008).

este é um dos vários kotas da música angolana que admiro muito e espero ansiosamente por mais um clássico nas prateleiras das livrarias mundiais e principalmente em minhas mãos... de certeza este será um álbum de grande valia pra quem gosta de música clássica e explorar o sentido poético do Valdemar Bastos...
Partilhar no Google Plus

Sobre: Néfilim Hespanhol

12 Transfusons.
Enviar um comentário