BIOGRAFIA DE MAC D. O MURMUR-YÓ



história de Mac D. não está isolada no mundo do Hip-Hop, pois, é impossível falar deste MC sem citar nomes como: Kay B. e Família Eterna, por exemplo. Nascido aos 14 de Maio de 1984, no Lobito, sua jornada começou na primeira metade dos anos ’90 e com os Kay B., primeira crew oficial de Murmur-Yó, na altura com 12 anos mais ou menos.

O Grupo Kay B foi fundado aos 27 de Agosto de 1997 no Bairro da Caponte, no Lobito e na altura faziam parte da Crew vários mc’s como: o Bob Ló, P. Snake, Candy Mour e Narrador Kanhanga. Antes, este MC da Kay B., já havia adoptado nomes como: Farinha, Fax e Tim e quando começou a cantar (com os Kay B.), era o Mac Dougall. O nome Mac Dougall foi extraído de um livro inglês que ele lia e era um personagem que tinha quase as mesmas características comportamentais suas. Daí a adopção do mesmo nome.

Os Kay B. foram influenciados pelos SSP, Afroman, Kool Kleva, Phathar Mak, Gabriel o Pensador, Boss AC, Black Company, Tupac Shakur, Will Smith, Snoop Dogg, Heavy D., e outros…, artistas mais difundidos naquela época em Angola. Na altura e sem muitos conhecimentos sobre o Hip-Hop, limitavam-se apenas em “imitações” desses pioneiros do estilo melhorando a medida que o tempo passava e aumentando os conhecimentos.

A reviravolta ocorreu no princípio do ano de 2001 quando Mac ingressou na Universidade. Ainda em fase adolescente, tomou contacto com a realidade, aliás como a maior parte dos indivíduos nesta fase, de uma forma muito repentina. Tinha o sonho de ser Engenheiro de Petróleos mas devido a escassez de universidades na região naquela altura foi “obrigado” a matricular-se no ISCED de Benguela da Universidade Agostinho Neto, frequentando o curso de Matemática pois as condições financeiras de seus pais e a sua idade não eram satisfatórias para que estudasse fora do alcance deles. Nessa altura, frustrado com a situação e com a impressão de ser incompreendido, escrevia canções ocultas falando desse assunto e criticava tudo o que lhe parecesse errado, desde problemas com amigos, colegas e sua família, principalmente os seus pais. Era como um desabafo para o papel escrever sobre esses assuntos. Tratava-se de um murmurador que reclamava sem que as pessoas dessem conta.

Mais tarde conheceu o outro lado da moeda, o Rap de carácter revolucionário. Teve acesso à músicas como as de Mc K, Keyta Mayanda, Leonardo Wawuti, Conductor, Flagelo Urbano, Projecto Ondjango, Supremo Regimento, Wima Nayobi, Mujinga, Filhos da Ala Este, Nas (God’s Son) etc., etc… e tudo parecia fazer mais sentido. A partir daí e influenciado por esses novos mc’s, em vez de murmurar falando apenas de seus problemas, falava agora dos problemas dos angolanos e do mundo. Interessava-se por ajudar os outros preocupava-se com melhorias, com músicas de intervenção social, com activismo. É por isso que em vez de se apelidar de Murmurador, ele preferiu ser o Murmúrio, assim ele seria a personificação dos problemas, mágoas e sofrimento de todos, a partir de suas músicas representando todos aqueles que não têm voz ou coragem para expor e reclamar dos seus direitos.

Usualmente escreve Mac D. (que provém de Mac Dougall; ocultou o Dougall para evitar o uso de estrangeirismo) o Murmur-Yó (gíria de rua que significa Murmúrio; o aparece para realçar uma das expressões mais usadas no Rap)

A partir daí fez um pacto consigo mesmo e prometeu ajudar a levantar o movimento Hip-Hop no Lobito em detrimento de uma carreira artística à solo que nunca fora o seu objectivo. Fez parte da 1ª grande Family de Hip-Hop no Lobito, a SUPREME SCHOOL e de seguida, a HIP-HOP SCHOOL de onde tornou-se mais notabilizado como MC por causa de seu flow e estilo inigualável quando participou na música da family que se tornou um hino nas ruas do Lobito.

Até aí, as suas gravações eram todas feitas analogicamente em cassetes (K-7), sendo porém a “Kay B”, a primeira música em CD que Mac D. gravou, em 2002, e a seguir, “Livrório Aberto” e tantas outras, todas acompanhadas de seu grupo, os Kay B.

Em 22 de Março de 2003, fundou no bairro da Caponte, na companhia de seus amigos, a FAMÍLIA ETERNA, da qual era o presidente, composta de diversos grupos e artistas à solo como: os Kay B., Gritos da Liberdade, New Star, 350 Volts, Aliança Clandestina, MC’s Dispersos, Nigga C. e tantos outros. Ministrava palestras e aulas sobre diversos temas à volta do Hip-Hop e não só.

Fundou ainda uma produtora independente, a Ur-Yó Produções e em 2005 compilou os sons dos elementos da FAMÍLIA ETERNA para lançar no mercado a colectânea “Primeiro Degrau”, na altura o primeiro trabalho oficial de Rappers no Lobito.

Dado o reconhecimento e seu empenho para o desenvolvimento da cultura Hip-Hop no Lobito, o que se seguiram foram diversas solicitações para participações em espectáculos locais, participações em músicas, produção de instrumentais, captações e mistura de voz, participação em projectos na província e lugares como Cabinda, Lubango, Luanda e Huambo sendo tudo isso foi feito à BORLA. É o MC mais dinâmico de toda Família Eterna, quiçá do Lobito. Apesar disso tudo, até agora, mesmo tem preferido a vertente Underground como forma de actuação, sem objectivos lucrativos, quer dizer, tudo por amor à camisola!

Em 2009, lançou a mixtape em espécie de compilação de músicas de Rappers só do Lobito denominada “A Recolha Vol. 1” e em 2010 iniciou um projecto de pesquisa universitário em conexão com a Universidade de São Paulo (Brasil) e FUNDACE sobre as causas da discriminação e insucesso da cultura Hip-Hop.

Só em 2011 decidiu aparecer à solo com a sua primeira mixtape intitulada “Eu Tive Que Vir”. O título sugere ser mais uma maneira que o rapper encontrou para enaltecer o movimento Hip-Hop no Lobito.

Hoje, Mac D. o Murmur-Yó, é mais do que um MC. É bancário e professor de Matemática de profissão; Licenciado em Ciências da Educação, especialidade de matemática é estudante do mestrado profissional em Gestão de Organizações, é produtor, realizador de eventos e muito mais, tornando-se portanto referência obrigatória no Hip-Hop da qual lhe valeu o título de Messias do Hip-Hop do Lobito.



m.d.o.m. 2010
Partilhar no Google Plus

Sobre: Néfilim Hespanhol

12 Transfusons.
Enviar um comentário